É sobre chuva no casamento. Mas a história é outra. Não é sobre um casamento ao ar livre que estava ameaçando molhar noivos e convidados. É pior.

É sobre uma tempestade torrencial pouco antes do casamento que estava impedindo todo mundo de chegar ao local do casamento! Isso mesmo, por causa da chuva o casamento da Glenda e do Renato quase não aconteceu.

Isso sem contar nos riscos de acidentes que todos os convidados passaram tentando chegar, né? Porque a gente gosta de emoção, né? Então prenda sua respiração e leia esse relato.

frufru

(Alerta textão não-clichê sobre meu casamento).

Sobre chuvas de bênçãos

Quando marcamos a data do nosso casamento, nem parecia real. Era “só” uma data. 24 de fevereiro: como foi sonhado, planejado, suado, chorado, comemorado, ansiado, orado. E chegou.

Um dia antes do grande dia, postei uma foto do nosso casamento civil com a legenda: “Chuvas de alegria e bênção sobre nós”.

Quanto a chuva, essa nunca foi minha preocupação. Iríamos casar na igreja, tudo fechado. Na semana mesmo olhei a previsão, e vi que haveriam pancadas de chuva naquele dia (aquelas de verão, que passam rápido),  mas ainda assim não perdi minha paz.

frufru

Acordei no sábado dia 24, um sol lindo, super feliz.

Fui pro salão, me arrumei com minha mãe, sogra, e amigas Que felicidade! Já pronta, avisei para as meninas: “Vamos sair porque vai chover”.

Meu carro já estava na porta, entrei e imediatamente vi os pingos no vidro e o céu preto. Pedi pra avisar: “fala para as meninas irem, porque está chovendo”. Pensei: “tudo certo, todas prontas, falta 1h ainda. No máximo vamos molhar um pouco pra entrar na igreja, tranquilo”.

As meninas se dividiram e entraram no carros. No meu caminho pela Cristiano Machado chovia tanto que não víamos sequer o carro da frente. A água corria forte mas nada que nos impedisse de chegar a igreja, ainda com antecedência.

Estacionamos, e esperei, esperei, esperei. Muita água caindo e nada da minha mãe, minha sogra, e as madrinhas. Comecei a ficar tensa. “Cadê elas? Já deveriam ter chegado!”.

frufru

Casamento marcado para às 15:45h.

Deu 15:45, 16h, 16:15h, nada. “Gente, o que está acontecendo?” Ninguém me falava direito. “Parece que houve um alagamento, vamos ter que esperar”. Tensão. Não sabia direito onde estavam, o que tinha acontecido, e nenhuma das 11 que estavam no salão comigo chegava. Eu perguntava, mas ninguém me dava detalhes. 16:45h, 1 hora de atraso. Eu estava triste porque pensava naqueles convidados que chegaram na hora e naqueles que não iam conseguir chegar.

Até que alguém me disse: “a Cristiano Machado virou um rio, estão esperando para atravessar, presas no trânsito”. Meu Deus! Um misto de tensão, tristeza, preocupação… tudo. Mas, enquanto isso, eu via cada pessoa que chegava na igreja, com muita alegria e gratidão por ver o que ela enfrentou pra nos ver casar.

Às 17h, já sentada e esperando há mais de 1:30h, comecei a pensar nas chuvas de bênçãos. Recebi uma mensagem de conforto do Renato, o consolo das minhas amigas, o abraço do meu pai. Então entendi: “Deus planejou esse dia”. Chuvas de bênçãos.

 

frufru

Chuvas de bênçãos

Sarah Landim não saiu do meu lado, me acalmando e fazendo a comunicação com quem estava preso: minha mãe, sogra, primas que vieram dos EUA e amiga que veio da Croácia estavam no mesmo carro, e por horas viram a água subir cada vez mais sem saber se chegariam ao casamento.

Minha cunhada com neném pequeno ficou muito tempo dentro do carro presa com meu sobrinho inquieto. Bella, Sarinha e Marbene, junto com o Gui, estacionaram o carro na Leroy Merlin e compraram capas de chuva no metrô, atravessando o viaduto a pé, sendo que a Sara está grávida de 7 meses. E as meninas estavam maquiadas, de penteado, salto e vestido longo. Cams e Lulu ficaram perdidas até finalmente conseguirem sair da confusão pra chegar na igreja. Chuvas de bênçãos.

No carro, minha mãe, sogra, primas e amiga, cantavam e louvavam porque estavam gratas a Deus por tudo. E pediam pra chegar ao casamento.

Minha cunhada e sobrinho chegaram bem, ele ficou calminho e entrou lindo no casamento. Sarinha, mesmo com barrigão, chegou bem e as meninas estavam todas lindas e maravilhosas (makes intactas). Cams e Lulu acharam um caminho e chegaram bem. Sarah foi meu suporte em tudo. Caio, que estava de motorista, foi conversando comigo o tempo todo, me dando notícias, ajudando nas fotos, foi um herói. Chuvas de bênçãos.

frufru

O casamento começou com 1:30h de atraso

Nossos pais, irmãos, avós, pastores celebrantes, e TODOS os padrinhos estavam presentes. Vários convidados enfrentaram uma verdadeira tempestade e um longo atraso pra nos prestigiarem com suas presenças (somos muito gratos), e NINGUÉM foi embora. Mesmo com tudo isso.

Quando encontrei o Renato no altar chorei muito, porque haviam sido momentos de muita tensão. Mas ali, juntos, no nosso sonhado 24/02, tínhamos uma certeza: Deus escreveu nosso dia. Cada minuto e segundo, cada detalhe. Ele já sabia porque cremos que absolutamente tudo foi como Ele determinou pra nós. E que culto… Nosso casamento foi um verdadeiro culto de adoração à soberania e ao cuidado desse Deus.

frufruFoi lindo, foi nosso.

Uma atmosfera de muito amor, carinhos e amizade, nos sentimos muito amados. E por isso sabemos: mesmo que a situação pareça ruim ou saia do nosso controle, Deus controla todas as coisas. Ele transforma tudo para que seja infinitamente mais do que tudo que pedimos ou pensamos.

Glenda”

chuva no casamento chuva no casamento chuva no casamento chuva no casamento chuva no casamento chuva no casamento chuva no casamento chuva no casamento chuva no casamento chuva no casamento chuva no casamento chuva no casamento chuva no casamento chuva no casamento